CENTRAL DE ATENDIMENTO

(11) 4341.5174  |   (11) 9 9653.6031

CURIOSIDADES

Saiba todas as curiosidades de seu caãozinho.
Escolha pela letra inicial da raça.

AUSTRALIAN SHEPHERD


AUSTRALIAN SHEPHERD
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA
Filiada à Fédération Cynologique Internationale
Classifi cação F.C.I.:
Grupo 1 Cães
Pastores e Boiadeiros (Exceto Boiadeiros Suíços)
Seção 1 Cães
Pastores
Padrão FCI n o 342 24
de julho de 1996.
País de origem: Estados Unidos da América
Nome no país de origem: Australian Shepherd
Utilização: Pastoreiro de fazendas e ranchos
Sem prova de trabalho
Sergio Meira Lopes de Castro
Presidente da CBKC
Domingos Josué Cruz Setta
Presidente do Conselho Cinotécnico
Tradução: Suzanne Blum
Impresso em: 01 de julho de 2003.
AUSTRALIAN SHEPHERD
RESUMO HISTÓRICO: embora existam muitas teorias a respeito da origem
do Australian Shepherd, a raça como nós conhecemos hoje foi desenvolvida
exclusivamente nos Estados Unidos. O Australian Shepherd foi assim chamado por
causa da associação com os Pastores Bascos, que foram para os Estados Unidos
provindos da Austrália nos anos de 1800.
A popularidade do Australian Shepherd cresceu consistentemente com a
“popularização” do “western horseback riding”, após a Segunda Guerra Mundial,
que fi cou conhecido pelo público em geral através de rodeios, exposições eqüinas,
fi lmes e shows de televisão. Sua inerente versatilidade e sua personalidade facilmente
adaptável ao treinamento tornaramno
valioso para as fazendas e ranchos americanos.
Os fazendeiros americanos continuaram o desenvolvimento da raça, mantendo sua
versatilidade, inteligência aguda, forte instinto de pastoreio e sua agradável aparência
que desde o início ganhou admiração. Embora cada exemplar seja único em cores e
marcações, todos os Australian Shepherds despertaram uma insuperável devoção por
seus familiares. Seus numerosos atributos têm garantido uma contínua popularidade
para a raça.
APARÊNCIA GERAL: é bem balanceado, ligeiramente mais longo do que alto, de
tamanho e ossatura média, com colorações que oferecem variedade e individualidade.
É atencioso e animado, fl exível e ágil, sólido e musculoso, sem ser pesado. Tem
pelagem de comprimento moderado, e textura moderadamente rude. Sua cauda é
cortada ou naturalmente curta.
PROPORÇÕES IMPORTANTES: medindo da ponta do esterno à parte traseira
da coxa, e da cernelha ao solo, o Australian Shepherd é ligeiramente mais longo do
que alto.
ESTRUTURA: de construção sólida com ossatura média. A estrutura do macho
denota masculinidade, sem ser grosseiro. As cadelas são femininas, sem serem leves
de ossatura.
COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: o Australian Shepherd é um cão
de trabalho, inteligente, com um forte instinto de pastoreio e guarda. Companheiro
leal, tem garra para trabalhar o dia inteiro. Com uma disposição equilibrada, ele é
naturalmente bom, raramente briguento. Pode ser um pouco reservado num encontro
inicial. Qualquer sinal de timidez, medo ou agressividade deve ser severamente
penalizado.
4
CABEÇA: é bem defi nida, forte e seca. Em seu todo, o tamanho deve ser proporcional
ao corpo.
REGIÃO CRANIANA
Crânio: plano a ligeiramente abobadado. Pode mostrar uma ligeira protuberância
occipital. Comprimento e largura são iguais.
Stop: moderado, bem defi nido.
REGIÃO FACIAL
Tr ufa: blue merles e pretos têm pigmentação preta na trufa (e lábios). Vermelhos
merles e vermelhos têm pigmentação fígado (marrom) na trufa (e lábios). Nos merles,
são permitidas pequenas manchas rosa, mas não devem exceder 25% da trufa em
cães acima de 1 ano, o que é considerado uma falta séria.
Focinho: de igual comprimento ou ligeiramente mais curto que o crânio. Visto de
perfi l, a linha superior do crânio e a do focinho formam planos paralelos, divididos
por um stop moderadamente bem defi nido. O focinho afi la pouco na base do nariz e
é arredondado na ponta.
Dentição: um conjunto completo de dentes fortes e brancos. Mordedura em tesoura
ou em torquês.
Olhos: de cor marrom, azul, âmbar ou em qualquer variação ou combinação incluindo
manchas e imitação de mármore. Formas amendoadas, nem muito profundos, nem
muito salientes. Os blue merles e os pretos têm pigmentação preta nas bordas dos
olhos. Os vermelhos merles têm pigmentação fígado (marrom) nas bordas dos olhos.
Expressão: mostrando atenção e inteligência; o cão é alerta e vivo. O olhar deve ser
atento, mas amigável.
Orelhas: triangulares, de tamanho moderado, inseridas altas na cabeça. Em atenção,
elas quebram para a frente e para cima, ou para os lados como uma orelha em rosa.
Orelhas eretas ou pendentes são faltas graves.
PESCOÇO: forte, de comprimento moderado, ligeiramente arqueado na nuca,
ajustandose
bem nos ombros.
TRONCO
Linha superior : dorso reto e forte, nivelado e fi rme da cernelha à articulação
coxofemoral.
Garupa: moderadamente inclinada.
Peito: não largo, mas profundo, com a parte mais baixa chegando ao cotovelo.
Costelas: bem arqueadas e longas, nem em barril, nem achatadas.
Linha inferior: moderado esgalgamento.
CAUDA: reta, cortada ou naturalmente curta, não ultrapassando 10 cm no comprimento.
MEMBROS
Anter iores
Ombros: escápula longa, plana, razoavelmente aderente à cernelha e bem colocada
para trás. O braço, que deve ter aproximadamente o mesmo comprimento da escápula,
é ligado à linha do ombro aproximadamente em um ângulo reto. As patas dianteiras
descem retas e perpendiculares ao solo.
Per nas: retas e fortes. Ossos fortes, mais ovais do que arredondados.
Metacarpos: de comprimento médio e ligeiramente inclinados. Ergôs frontais podem
ser removidos.
Patas: ovais, compactas, com dedos fechados e bem arqueados. Almofadas espessas
e elásticas.
Posteriores
A largura dos posteriores é igual a dos anteriores medida nos ombros. A angulação da
pélvis com a coxa corresponde à angulação do ombro e braço, formando um ângulo
aproximadamente reto.
J oelhos: claramente defi nidos.
Articulação dos jarretes: moderadamente angulados.
6
J arretes: curtos, perpendiculares ao solo e paralelos entre si quando vistos por trás.
Ergôs devem ser removidos.
Patas: ovais, compactas, com dedos fechados e bem arqueados. Almofadas espessas
e elásticas.
MOVIMENTAÇÃO: tem uma movimentação suave, livre e fácil. Exibe grande
agilidade de movimentos com passadas bem balanceadas cobrindo bem o terreno.
Anteriores e posteriores movimentamse
retos e paralelos com a linha central do
corpo. Aumentando a velocidade, as patas (de frente e de trás) convergem em
direção à linha de gravidade do cão, enquanto o dorso permanece fi rme e plano. O
Australian Shepherd deve ser ágil e capaz de mudar de direção ou modifi car o passo
instantaneamente.
PELAGEM
Pêlo: de textura média, retos ou ondulados, resistentes a intempéries e de comprimento
médio. O subpêlo varia em quantidade com as variações do clima. O pêlo é curto e
macio na cabeça, orelhas, frente das pernas, anteriores e abaixo dos jarretes. A parte
traseira dos posteriores e os culotes são moderadamente franjados. Os machos têm
uma juba moderada e franjas mais pronunciadas do que as fêmeas. Pelagem não típica
é uma falta séria.
COR: azul merle, preto, vermelho merle, vermelho com ou sem manchas brancas
e/ou castanhas (cobre), sem ordem de preferência. A linha de pêlos de um colar
branco não deve exceder o ponto da cernelha. Branco é aceito no pescoço (em parte
ou como em um colar), peito, pernas, parte inferior do focinho, faixa na cabeça e
extensão branca da parte inferior do corpo para cima até 10 cm, medida de uma linha
horizontal nos cotovelos. Branco na cabeça não deve ser predominante e os olhos
devem ser cercados por cores e pigmentados. Os merles, caracteristicamente, fi cam
mais escuros com a idade.
TAMANHO: machos: 51 a 58 cm.
fêmeas : 46 a 53 cm.
A qualidade não deve ser sacrifi cada em favor do tamanho.
FALTAS: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta
e penalizado na exata proporção de sua gravidade.
FALTAS DESQUALIFICANTES
prognatismo
superior ou inferior, acima de 3 mm; falta de contato causada
por incisivos curtos, em uma correta mordedura, não deve ser julgada como
prognatismo inferior. Dentes quebrados ou faltando por acidente não devem ser
penalizados.
manchas
brancas grandes no corpo em todas as cores, quer dizer, branco, no corpo,
entre a cernelha e a cauda, nas laterais, entre os cotovelos e a parte traseira do
posterior.
NOTAS:
• os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem
desenvolvidos e acomodados na bolsa escrotal.
• todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento


mais curiosidade com a letra >>

RECEBA NOSSAS NOVIDADES

NOME:
E-MAIL:
 
 
- Agencia Giga - - © 2017 Escola de Cães - Adestramento de Cães em São Paulo - Todos os direitos reservados -